domingo, 27 de maio de 2012

Restaurantes em Museus

Nossa Cidade é muito grande e cada vez mais me surpreendo do quanto eu não conheço dela. São bairros inteiros com muita história, cultura, arquitetura, comidas, parques etc. ... . Se é preguiça ou falta de tempo, não sei, o certo é que para mim os dias se resumem em poucas horas para passeios e lazer. Aí pelas revistas e a internet, descobrimos que existem locais agradáveis muito próximos da gente que gostaríamos e que devemos conhecer ... .

A dica fica por conta de uma reportagem veiculada na última edição da revista Go Were Gastronomia, edição nº 52, entre vários artigos, um bastante interessante é o artigo da página 86 - "Comer bem é uma arte" -, que fala sobre restaurantes localizados dentro de museus da cidade de São Paulo.

São espaços culturais que oferecem boa comida. Os destaques da reportagem são para os espaços dos museus do:

Theatro Municipal (almoço no sistema buffet R$ 40,00, oferece ainda café da manhã das 9h00 às 11h30).
Endereço: Praça Ramos de Azevedo, S/N
Centro
Fone (11) 3331-1874
;

Masp (buffet de segunda-feira a sábado R$ 35,00 domingos e feriados R$ 38,00)
Endereço: Avenida Paulista, 1578
Parque Trianon
Fone (11) 3253-2829
;

MAM (buffet de segunda-feira à sexta-feira R$ 49,00, sábados, domingos e feriados R$ 56,00)
Endereço: Parque do Ibirapuera, S/N
Ibirapuera
Fone (11) 5574-1250
;

MuBe (de segunda-feira à sexta-feira R$ 48,00, aos domingos das 13h00 às 16h00 serve um bunch por R$ 48,00)
Endereço: Rua Alemanha, 221
Jardim europa
Fone (11) 3088-3981
;

Sala São Paulo (de segunda-feira à sexta-feira, buffet na hora do almoço por R$ 35,00 e no jantar por R$ 40,00)
Endereço: Praça Júlio Prestes, 16
Luz
Fone (11) 3225-9958
;
Instituto Tomie Otake (de terça-feira à domingo)
Endereço: Rua do Coropés, 88
Alto de Pinheiros
Fone (11) 3034-4673
;

Itaú Cultural (segunda-feira das 9h00 às 17h00, de terça-feira à sexta-feira das 9h00 às 20h00, sábados, domingos e feriados das 11h00 às 20h00)
Endereço: Avenida Paulista, 149
Paraíso
Fone (11) 3251-1801
.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Moqueca Capixaba de lombo de cação e camarão

Tudo é uma questão do paladar de cada um. Uns preferem a moqueca Capixaba, sem leite de coco, dendê e pimentão, nessa o sabor do peixe é mais intenso, de sabor um pouco mais leve por levar menos tempero, outros preferem a Baiana, o sabor do pescado aparece menos, pois o sabor dos temperos é mais acentuado, gosto das duas !.


Hoje fiz a Baiana, mas não deixei de utilizar minha verdadeira panela de barro Capixaba, adquirida no bairro de Goiabeiras Velha, Vitória/ES, em 2006.

Paneleiras de Goiabeiras, como é conhecida, é uma associação ou cooperativa de mulheres artesãs, famílias que produzem e comercializam suas panelas de barro dentro de um grande galpão. Só estando lá para ver o trabalho que é feito por essas famílias. Vou tentar resumir o pouco do que ví, quando estive em Vitória.

Se tiver oportunidade de ir à Vitória, não deixe de visitar as Paneleiras de Goiabeiras. Vá também saborear as moquecas do tradicional Bar e Restaurante Pirão, na Rua Joaquim Lírio, 753, Praia do Canto.


A técnica da produção das panelas de barro se resume na extração da argila, modelagem onde se utiliza apenas água e barro, secagem - colocada na sombra durante dias, até a desidratação total do barro -, queima feita ao ar livre sobre madeira e coberta com uma camada de lenha e finalmente a pintura - quando as panelas ficam avermelhada em meio ao calor da queima, são retiradas do fogo e açoitadas com o tanino (tintura preta obtida da casa da árvore do mangue, dando a cor escura brilhante das panelas de barro capixaba.


Sobre o peixe da moqueca:
No Espírito Santo eles utilizam postas dos peixes, badejo, papaterra, pargo ou robalo. Eu já fiz também com outros tipos de peixe inclusive com filé de St. Peter, resumindo: a moqueca pode ser feita com qualquer peixe, use o da sua preferência, ou o qual você encontrar. A receita abaixo vou utilizar lombo de cação congelado.

Ingredientes:
1 kg de lombo de cação
1/2 kg de camarão
5 tomates sem pele fatiado
2 cebolas cortadas em meia lua
1 pimentão vermelho fatiado
1 pimenta dedo-de-moça picada
Suco de um limão
5 dentes de alho picado
1 maço de coentro
1/2 xícara de salsinha
500 ml leite de coco
100 ml de azeite de dendê
Azeite de oliva


Preparo:
Deixar o peixe na marinada de limão, sal e alho, por 30 minutos
Esquentar a panela de barro
Misturar os temperos (pimenta dedo-de-moça cebola, alho, tomate, coentro e a salsinha)
Colocar uma camada do tempero na panela
Colocar o peixe, lado-a-lado
Colocar o restante do tempero, por cima do peixe
Colocar os pimentões
Colocar o leite de coco
Cozinhar por 15 minutos, até levantar fervura
Acrescentar o dendê, cozinhar por mais 10 minutos
Acrescentar o camarão, cozinhar por mas 5 minutos.
Tire do fogo
Finalizar com a salsinha e o coentro picado.

Vinhos que acompanharam nossa moqueca:

Entrada - Espumante Petalo Moscato (Bottega)
Jantar - Chardonnay (J.P. Chenet) e Torrontes (Crios)

Fotos das Paneleiras de Goiabeiras

Amassando a argila

Modelagem das panelas

Queima das panelas

Queima das panelas

Pintura das panelas

Galpão da Associação das Paneleiras de Goiabeiras

terça-feira, 15 de maio de 2012

Filet Mignon a molho de champignon de Paris

Lembrei do baldinho de champignon de Paris que tinha comprado tempos atrás na Rua Santa Rosa, região central de São Paulo, próximo ao Mercado Municipal. Precisa fazer alguma coisa com eles antes do prazo devalidade se expirar.

Num primeiro momento, pensei num champignon alho e óleo, mas era 1k de champignon, o que me levou a pensar em descongelar uns medalhões de filet mingnon e fazer um belo molho para essa carne.

A Conserva
Separei uma xícara de champignon para a carne, o restante, deixei em água corrente durante dez minutos para tirar o gosto de conserva avinagrada, após esse tempo deixei escorrendo.

Numa frigideira dourei quatro cabeças de alho picadinho, com três folhas de louro.
Refoguei o champignon, acertei o sal e a pimenta do reino, pronto !

A receita do filet foi uma experiência, portanto as quantidades foram colocadas meio que à olho !!! . De qualquer forma os ingredientes foram:

medalhão de filet mignon
manteiga
azeite
champignon (refogado previamente no vinho e cognac)
pimenta do reino
sal
creme de leite fresco

O Filet
Deixei o champingon de molho numa mistura de vinho branco com cognac durante vinte minutos

Após esse período cozinhei o champignon e a bebida durante dez minutos

Numa outra frigideira, esquentei a manteiga e o azeite
Dourei os medalhões (ao ponto), tirei da frigideira e reservei

Na frigideira que dourei os filets coloquei o champingnon juntamente com a bebida em que eles estavam, deglacei por alguns instantes, coloquei um pouco de creme de leite, deixei cozinhar por uns cinco minutos, para reduzir um pouco o molho.

Coloquei os filets nesse molho e cozinhei por mais cinco minutos, e pronto !

Veja o resultado nas fotinhos .....





... e para acompanhar um tinto Chileno ISLA NEGRA, Cabernet Sauvignon/Merlot, 2010

terça-feira, 1 de maio de 2012

Bacalhau à Gomes de Sá

1º de maio, feriado, dia do trabalho. Depois de várias chamadas pelo "facetime" para meu amigo Joãozinho, entendi que ele poderia estar novamente sem o seu iPod. Mais tarde tive a notícia do ocorrido: A infração dessa vez foi "desobediência" - tentativa de devorar um potinho de gelatina de uva no seu quarto.

Diante de tal situação de incomunicabilidade pelo facetime com meu amiguinho, resolvi relaxar; acessei o YouTube em busca de alguma receita e encontrei uma portuguesa preparando um Bacalhau à Gomes de Sá. Tinha tudo que precisava para o preparo do bacalhau, então arregacei as mangas e iniciei os trabalhos.

Nesse meio tempo o João, pai, me ligou e confirmou minha suspeita do iPod do Joãozinho. Aproveite para convidar par vir em casa à noite para comer o bacalhau.

Para acompanhar o bacalhau, tomamos duas garrafas do Sauvignon Blanc 2009, neozelandês - indicado pelo Kanarek Junior, gerente de desenvolvimento de novos negócios da vinícola Yealands State -, diga-se de passagem, um dos melhores Sauvignon Blanc que tomei.

A vinícola Yealands State é um vinicola pautada na sustentabilidade e recursos provenientes da reciclagem, água da chuva, luz solar, garrafas de vidro etc... .

Os vinhos da Yealands State são encontrados nas gôndolas do Pão de Açúcar, importador oficial da vinícola. Ah! não deixe de experimentar também o ótimo Pinot Noir da mesma vinícola.



Bem, vamos à receita e as fotos:


Ingredientes:
1kg Lombo de bacalhau Dias
800g Batatas
2 Cebolas cortadas em meia-lua
3 Dentes de alho cortado em rodelas
3 Folhas de louro
60g Azeitonas portuguesas
80g Pimentão cortado em tiras grossas
200ml Azeite virgem
Sal - quanto baste
Salsinha picada - quanto baste
4 Ovos cozidos




Modo de Preparo:
Cozinhar o bacalhau em água fervente durante 8 minutos.

Depois de cozido, reserve o bacalhau.

Refogar no azeite as cebolas, os alhos, as folhas de louro e os pimentões,
sem deixar queimar.

Salgar a água e cozinhar as batatas, com casca, na água do bacalhau, até que fiquem macias.

Depois de cozidas, retire as casca e corte-as em rodelas grossas.

Retire as peles, as espinhas e desfie o bacalhau em lascas grossas.

Colocar o bacalhau no refogado, mexa tudo e deixe por mais uns minutos, junte as batatas, mexa com cuidado para não quebrar as batatas.

Colocar o bacalhau numa travessa.


Colocar os ovos, cortados em rodelas, as azeitonas e a salsinha.


No último domingo, dia 13, repeti a receita, mas dessa vez ao invés do lombo de bacalhau utilizei postas de bacalhau desfiado congelado. O resultado foi bom, porém com o lombo é muito melhor. Veja a seguir as fotos do bacalhau de domingo ...

O refogado de alho, cebola, pimentão, folhas de louro e azeite